Compre Agora

quinta-feira, 31 de março de 2011

Senador Pompeu: Entre a tirania e a cultura do dinheiro


 Por Fram Paulo
Eu sou a mosca que posou em sua sopa” disse Raul Seixas em sua música.
Tenho saudade dos tempos em que não tinha Secretaria da Cultura em Senador Pompeu. Há se esse tempo bom voltasse, em que o diretor de cultura nada fazia, e os artistas podiam fazer arte. Eu podia fazer apresentações teatrais em frente à igreja matriz, no mercado cheio de gente aos sábados. Realizávamos semanas culturais, poderia caminhar pelos trilhos recitando versos.
Mas a cultura que sempre foi à vizinha pobre, ganhou poder, cresceu, ficou importante, tem dinheiro, carro novo, casa nova, prêmios e mais prêmios. Nossa! Mas quem faz essa cultura? São os artistas culturais ou os artistas “artistas”. A cultura ta cheia de “artistas”.

E o pobre artista cultural coitado! O que pode? O que tem? Sonhos, ideais, resistência, desejo de liberdade, de transformar. Mas quem pode sonhar diante a cultura dos tiranos, a cultura que tem poder, que mente e todos acreditam, a cultura tirana, carrasca que pressiona e persegue  os que pensam, somente pensam e tentam fazer os que não pensam pensar. Que a cultura perseguindo o artista com sua arte. O que há de errado em pensar, em sonhar, em fazer arte? Que mal pode fazer a arte do artista à “cultura” sem cultura. Que cultura maldosa, covarde, mentirosa, astuta, manipuladora, a cultura da ganância. Com uma peixeira na mão e a grana na outra.
Como diz um amigo meu, “Deus dê vida longa a Dionísio”. Preferia a vida longa da cultura sem secretaria e sem secretário. Pois seriamos livres e faríamos arte livremente
Não sou amigo do rei, nem inimigo do povo, sou amigo da consciência, da liberdade e do sonho.  Sonho de paz, sou amigo da ideologia, não da ideologia politiqueira. Não me deixaram falar em nenhum momento, minhas ideias foram execradas, quiseram calar-me, por não deixar acabar com o sonho do ator. O teatro não é tão somente um espaço para falar, gritar, pular, dançar... O teatro é vida.... Toda arte que não é vida, não é arte, toda arte vem do sonho e meu sonho é intocável, inabalável, inatingível. Podem berrar, mentir, se espernear, que eu com minha arte, serei a mosca na sopa...
“Eu sou a mosca que posou em sua sopa” -  “E não adianta vir me dedetizar”...
Fram Paulo
Essa crônica é uma forma de protestar contra as perseguições que estamos sofrendo em Senador Pompeu, por sermos sonhadores, idealistas, resistentes. Sou artista me manifesto através da arte.
Enviou a redação do portal Revista Central e foi publicada na Coluna do leitor.


Fazemos parte da rede do Portal Revista Central - informação em tempo real com credibilidade. acesse: www.revistacentral.com.br

Nenhum comentário:

::: NOSSOS VÍDEOS

Loading...