Compre Agora

terça-feira, 29 de março de 2011

Conheça os principais fatos da vida do ex-vice-presidente da República

Foto: Agência Brasil

1931 – Nasce José Alencar Gomes da Silva, em 17 de outubro, em Itamuri, município de Muriaé, Zona da Mata mineira. É o 11º filho de um comerciante e uma dona de casa.

1945 – Consegue o primeiro emprego aos 14 anos, como vendedor de tecidos numa loja em Muriaé. Sem dinheiro para alugar um quarto, dorme no corredor de um pensionato.


1950 – Com dinheiro emprestado por um irmão, abre sua primeira loja de tecidos, em Caratinga (MG). Batizada de “A Queimadeira”, vendia de tudo a preços populares.

1953 – Vende a loja e vira vendedor atacadista de tecidos. Trabalharia ainda como comerciante de grãos e sócio de uma fábrica de macarrão.

1967 – Com empréstimos da extinta Sudene e apoio do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais, funda em Montes Claros a Coteminas, que se tornaria um dos maiores grupos têxteis do país.

1989 - Presidiu por 15 anos (1989-1994) a Federação das Indústrias de Minas Gerais. Dirigiu também a Associação Comercial de Minas e a Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte.

1993 – O filho, Josué Christiano Gomes da Silva, assume o comando da Coteminas para que Alencar possa se dedicar à carreira política. Christiano ocupa a vice-presidência e a superintendência geral do grupo têxtil.

1994 – Candidata-se pelo PMDB ao governo de Minas Gerais. Obtém 10,71% dos votos válidos, ficando em terceiro lugar na disputa.

1997 – Realiza cirurgia para retirada de tumores no rim e no estômago.

1998 – É eleito senador com quase 3 milhões de votos, numa das campanhas mais caras do país. Segundo informação dada ao TRE-MG, foram gastos R$ 6,4 milhões na campanha. Como comparativo, Itamar Franco gastou no mesmo ano R$ 2,8 milhões para se eleger ao governo do estado.

2000 – Volta à mesa de operações, desta vez para retirada de um tumor na próstata.

2001 – Desfilia-se do PMDB e, um mês depois, entra para o PL. Antes, recebe convites do PTB e PSB.

2002 – Com a aliança entre PT e PL, em junho, torna-se vice na chapa vitoriosa de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República.

2004 – Passa a acumular a vice-Presidência com o cargo de ministro da Defesa, que exerce até 2006.

2005 – Em meio à crise do mensalão, deixa o PL e, junto a outros ex-integrantes da sigla, participa da fundação do PRB (Partido Republicano Brasileiro).

2005 – Nova internação. Desta vez, Alencar é submetido a uma angioplastia, cirurgia no coração.

2006 – Mesmo enfrentando problemas de saúde, Alencar aceita o convite de Lula para integrar novamente a chapa como vice. Os dois se reelegem para o mandato que vai até 2010.

2006 – Faz duas cirurgias para retirada de um tumor no abdômen, em junho e novembro. Faz tratamento com especialistas nos Estados Unidos.

2007 – Do abdômen, o câncer se espalha e atinge o peritônio, membrana que reveste a região. É internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, onde é novamente operado.

2008 – Entre os dias 3 e 6 de janeiro, o vice-presidente volta ao hospital, após exames mostrarem uma reincidência do tumor abdominal.

2008 – Em agosto, o vice-presidente iniciou tratamento com um novo medicamento, a Trabectedina, para combater novos tumores abdominais detectados durante exames em julho. Em setembro, ele se submeteu a nova cirurgia para a retirada de três tumores. O procedimento durou seis horas.

2008 – Durante uma visita a Resende (RJ), em 29 de novembro, fortes dores abdominais levaram o vice-presidente a nova internação. O diagnóstico foi enterite (inflamação intestinal). Segundo os médicos, não havia relação com o câncer.

2008 - Vinte dias depois, o vice-presidente foi internado novamente, desta vez para tratar de um quadro de insuficiência renal. Ele deixou o hospital no dia 20 de dezembro.

2009 - Em janeiro, exames detectaram novos tumores no abdômen. A cirurgia para retirada de nove tumores, a maior e mais delicada realizada pelo vice-presidente, durou quase 18 horas.

2009 - Exames realizados em maio detectaram a recorrência da doença. O vice-presidente é novamente encaminhado para os Estados Unidos para se submeter a um tratamento experimental contra o câncer, com remédios ainda em fase de testes.

2009 – Em julho, o vice-presidente volta a ser internado com fortes dores abdominais devido a obstruções nas alças (dobras) do intestino. Uma nova cirurgia é realizada no dia 9 para desobstrução do órgão e retirada de novos tumores.

2010 – Em janeiro, o Hospital Sírio-Libanês informa que o tumor do vice-presidente da República, José Alencar, apresenta redução.

2010 – No início de maio, numa das idas ao hospital para quimioterapia, Alencar apresenta pressão alta. Exames apontaram isquemia cardíaca e uma “obstrução grave” numa das artérias. Alencar então passa por um cateterismo e uma angioplastia e recebe um “stent”, um mecanismo que “alarga” a artéria. No total, fica nove dias internado.

2010 – No final de maio, queixando-se de fadiga, é internado novamente. Após exames, o hospital constata que ele está anêmico e tem um “quadro congestivo pulmonar”, consequência da quimioterapia.

2010 – A professora aposentada Rosemary de Morais, de 55 anos, obtém na Justiça, em julho, o reconhecimento de que é filha de Alencar, depois de ele se recusar a fazer o teste de DNA.
2010 – No final de agosto, contrai uma infecção, tratada com antibióticos. Ele seria internado novamente poucos dias depois, no início de setembro, com o diagnóstico de edema agudo de pulmão. Foram mais seis dias no hospital.

2010 – Em setembro, é internado em razão de um edema agudo de pulmão. No dia 25 de outubro, volta ao Sírio-Libanês ao apresentar um quadro de suboclusão intestinal. Dias após a internação, ainda no hospital, sofre um infarto no fim da tarde do dia 11 de novembro.

2010 - De 23 de novembro a 17 de dezembro, Alencar fica internado para tratar uma obstrução intestinal decorrente dos tumores no abdômen. No dia 27 de novembro, é submetido a uma cirurgia para retirada de parte do tumor e de parte do intestino delgado.

2010 – Alencar é internado com quadro de hemorragia digestiva grave. Os médicos tentam uma cirurgia de emergência, mas não conseguem chegar ao ponto do sangramento. A equipe usa medicamentos para conter a hemorragia, mas ela volta a ser verificada no dia 24. Um novo procedimento é realizado quatro dias depois, com sucesso, para localizar o ponto da hemorragia.

2011 – No dia 25 de janeiro, é um dos homenageados no aniversário de São Paulo, depois de 33 dias de internação.

2011 – No dia 9 de fevereiro, Alencar volta a ser internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), após uma perfuração no intestino.

2011- O ex-vice-presidente volta a ser internado no Hospital Sírio-Libanês, no dia 28 de março, com quadro de “suboclusão intestinal, em condições críticas”.
( fonte: G1)

Fazemos parte da rede do Portal Revista Central - informação em tempo real com credibilidade. acesse: www.revistacentral.com.br

Nenhum comentário:

::: NOSSOS VÍDEOS

Loading...