Compre Agora

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Governo quer implantar banda larga por menos de R$ 30 em até quatro anos


O governo federal quer massificar, em até quatro anos, o acesso da população à internet em alta velocidade, por meio do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL).
A intenção é oferecer um serviço de qualidade a preços na faixa dos R$ 35 nos estados que cobrarem Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Nos que abrirem mão do imposto, a banda larga poderá custar até menos de R$ 30. 
A informação foi dada pelo ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, em entrevista ao programa Bom Dia Ministro, transmitido pela NBR TV nesta sexta-feira (4). De acordo com o ministro, 34% de lares brasileiros estão conectados à Internet, segundo dados divulgados em 2010. O governo que utilizar a infraestrutrua já disponível no País para baratear o acesso e ampliar esse percentual. 

Ao mesmo tempo, o governo trabalha para ampliar a rede de cabos de fibra ótica em todo o Brasil, para chegar a um nível próximo da universalização do serviço, como ocorre nos países tecnologicamente mais avançados em internet. “É nisso que estamos trabalhando", afirmou ele. Bernardo admitiu que, no estágio atual, o Brasil “está meio correndo atrás” uma vez que países como Coreia do Sul, Japão e Estados Unidos, entre outros, possuem infraestrutura que asseguram um serviço mais veloz e a preços mais acessíveis. 
Produtos 
Além de buscar baratear o serviço, Paulo Bernardo também que facilitar o acesso da população aos produtos eletrônicos conectados à web. Ele já está discutindo com representantes da Associação Brasileira da Indústria Eletroeletrônica (Abinee) a redução dos valores dos chamados tablets – computadores de prancheta de acesso à internet, como o Ipad. 
O ministro informou que o governo está revendo sua política industrial, inclusive com relação ao pagamento dos tributos, e poderá dar isenção fiscais aos fabricantes destes equipamentos. 
Paulo Bernardo lembrou o exemplo do programa de isenções de impostos dado há poucos anos aos fabricantes de desktops e notebooks – e que resultou na produção e venda de mais 14 milhões de computadores no Brasil apenas em 2010. A idéia agora é incluir os tablets no programa de isenções, para baratear o preço destes produtos.

Portal Brasil

Nenhum comentário:

::: NOSSOS VÍDEOS

Loading...