Compre Agora

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Promessa de jogão: Brasil joga de azul hoje

O técnico Dunga espera uma boa partida, com um jogo aberto, "bonito de se ver". Já Felipe Melo, ainda não está confirmado no time titular

Em entrevista coletiva concedida ontem, véspera do jogo contra a Holanda pelas quartas de final da Copa do Mundo, o técnico Dunga afirmou que espera uma boa partida e fez elogios ao adversário, mas não confirmou se Felipe Melo entra no jogo.

"Vai afunilando a Copa do Mundo, as partidas ficam cada vez mais difíceis, de melhor qualidade técnica e todos que vão vir ao estádio verão um bom espetáculo, um jogo emocionante", declarou o treinador, no estádio Nelson Mandela Bay, na cidade de Port Elizabeth, que será o local da partida.

"Esperamos que seja uma partida aberta. Daqui para frente, todas as partidas são eliminatórias, então ninguém pode ficar se cuidando muito, ficando muito fechado, tem que jogar para vencer. Com jogadores de qualidade, a tendência é que seja um jogo bonito de se ver", disse.

Ao ser questionado sobre a presença de Felipe Melo, que treinou ontem, no time titular, o técnico disse que o jogador vai ser reavaliado na manhã do jogo. "O Felipe está bem, treinou normalmente", disse, antes de acrescentar que o jogador está em condições, mas é preciso ver como vai reagir hoje.

O volante se recupera de uma torção no tornozelo esquerdo. Como Ramires está suspenso, se Felipe não puder jogar, o técnico Dunga terá que optar entre Kleberson e Josué. Outras preocupações para a partida, que vale uma vaga na semifinal, são o estado do gramado, um dos piores da Copa, e o vento, já que Port Elizabeth é conhecida como cidade do vento.

"Não tive a possibilidade de ver o campo. Duas coisas são importantes no futebol, o campo e a bola. Esperamos que o campo tenha boas condições", disse o treinador. Mas a verdade é que o gramado do Nelson Mandela Bay solta placas e preocupa inclusive a Fifa, que vetou os treinos das vésperas dos jogos para preservar o campo.


BERT VAN MARWIJK
"Não poderá haver erro"


O técnico da Holanda, Bert van Marwijk, considerou ontem, na véspera do duelo com o Brasil, que sua equipe nas quartas-de-final do Mundial da África do Sul/2010, "não poderá se permitir nenhum erro".

"Meus jogadores não poderão cometer falhas. Terão que pressionar o suficiente para impedir a armação do jogo que os adversários pretendem", disse o treinador.

O técnico holandês prevê uma partida "interessante porque as duas equipes têm um estilo de jogo positivo. O Brasil tem estabilidade, autenticidade. Arma sem se precipitar, partindo para o ataque na presença de uma falha", afirmou o técnico da Laranja Mecânica.

Para Van Marwijk, a Seleção Brasileira é a equipe favorita do Mundial, pelo que se prepara para ganhar o duelo de hoje em Port Elizabeth.

"É um time capaz de derrotar qualquer adversário. Meus jogadores estão impacientes e muito concentrados. Mas nossa mentalidade mudou muito", advertiu o treinador da Holanda.


Polêmica


Para o astro holandês, Sneijder a equipe está preparada para o confronto. "Vamos entrar em campo 120% prontos para vencer o Brasil. Acredito que podemos passar", garantiu.

"Às vezes podemos não jogar bem. Mas ganhar é o que importa", disse. Esta declaração deixou os torcedores holandeses que gostam de ver sua seleção dando show preocupados.


SEGUNDO UNIFORME
Como em 74 e 94, Brasil joga de azul


Considerada pela Fifa a mandante do jogo de hoje, a Holanda teve a prioridade na escolha dos uniformes. Por isso, o Brasil vai jogar com sua segunda combinação: camisa e meias azuis e calção branco. Foi dessa maneira que os brasileiros disputaram seus dois primeiros jogos contra a Holanda em Copas - derrota por 2 a 0 em 1974, no Mundial da Alemanha, e vitória por 3 a 2 em 1994, nos EUA.

Mas o duelo de hoje terá uma diferença importante: nessas duas partidas, a Holanda jogou com camisa e meias brancas e calção laranja. O time europeu entrará em campo desta vez com sua combinação número um, composta por camisa e meias laranjas e calção preto.

A última vez que o Brasil disputou uma partida de Copa com a camisa azul foi nas quartas-de-final da edição de 2002, contra a Inglaterra - duelo que terminou 2 a 1 para o Brasil, de virada. Por coincidência, nas duas últimas campanhas vitoriosas da Seleção (1994 e 2002) a equipe teve de usar a camisa azul nas quartas, o que se repetirá na Copa da África do Sul.


NO AUGE DA CARREIRA
Japonês irá apitar o duelo entre Brasil e Holanda


Brasil e Holanda será o auge da carreira de Yuichi Nishimura. Natural de Tóquio, o japonês de 38 anos foi escolhido pela Fifa para apitar o importante duelo pelas quartas de final do Mundial, hoje, em Port Elizabeth. Até aqui, ele teve uma participação elogiada nas três partidas que dirigiu. Nishimura estreou no empate sem gols entre Uruguai e França, na Cidade do Cabo. Neste jogo, ele aplicou sete cartões amarelos e deu o primeiro vermelho do Mundial para o uruguaio Lodeiro. O japonês apitou ainda Espanha e Honduras, quando marcou corretamente um pênalti para os espanhóis que venceram por 2 a 0, e Paraguai e Nova Zelândia no empate por 0 a 0, em um jogo que teve pouco trabalho.

Diário do Nordeste

Nenhum comentário:

::: NOSSOS VÍDEOS

Loading...