Compre Agora

sexta-feira, 9 de julho de 2010

NO SERTAO ENCHENTE, NAS CIDADES O CAOS

Opinião e Ação
Por Getulio Freitas





Desde antigamente quando chove muito no sertão, são formadas as conhecidas e esperadas enchentes; compreendida aqui como o período de cheia dos rios e açudes. No solo em perfeito equilíbrio, o efeito será somente de molhá-lo e prepará-lo para o plantio sem nenhum outro prejuízo. Neste período marcado por muita fartura é sagrado e esperado durante todo o ano pelos peixes que irão desovar, e pelos agricultores que pescarão facilmente nas cheias dos rios espécimes nutridos e dentre outros benefícios do período chuvoso nos Sertões.  Todos os fatores contribuem para que esse fenômeno natural que no nordeste vem a ocorrer no verão, seja o mais benéfico ao homem. Isso por que a natureza em si esta preparada para qualquer volume de chuva, tendo meios de absorção e escoamento das águas sem nenhum caos.

Seria até interessante se nas cidades esse exemplo fosse seguido e levado em conta durante seu planejamento, o que praticamente não existe. Na tentativa utópica de represar e desviar os cursos naturais, aterrar lagos e dentre outras praticas de adaptar a natureza ao ser humano, o mesmo comete erros primários, ou pelos menos os comete alguns gestores com o mínimo senso de Gestão Ambiental.

Resultado, o caos se instala nas cidades quando vem a tão esperada chuva pelos agricultores. Na verdade as cidades são construídas muitas vezes como se não precisassem da água da chuva e que nunca a fossem receber.

Metrópoles edificadas sob áreas de difícil escoamento pluvial, impermeabilização dos solos (cobertura com asfalto e cimento), são ingredientes para enchentes nos rios e freqüentes inundações. Ainda mais os lençóis freáticos são alimentados por estas chuvas que com o tempo sem a devida alimentação rebaixam e secam, e como a cidade tem peso à água que é retirada e não e realimentada gera um espaço, com o tempo o solo tende e compactar-se e baixar causando rachaduras nos edifícios ali colocados.

A sobrevivência na vida na terra depende da constante interação de três esferas, hidrosfera, atmosfera e litosfera e se percebermos estamos a cada dia separando estas esferas e interferindo nos ciclos biogeoquímicos, que são as trocas de energia e dos ciclos dos elementos, a base da vida. A urbanização desordenada causa a separação das esferas hidrosfera e litosfera, resultado – secas de mananciais e lençóis freáticos. E ainda pior, quando em vez de impermeabilizar, jogam efluentes no solo contendo metais pesados e dentre outros poluentes que podem infiltrar-se no solo e prejudicar toda a cadeia de vida.

Outro problema que contribui para as inundações nos espaços urbanos é a falta de correta destinação do lixo, que quando jogado nas ruas contribui para obstrução dos pontos de escoamento das águas pluviais. Muitas vezes por falta de conhecimento, perante a falta de políticas efetivas e de Educação Ambiental ou por ignorância a ser combatida também com Educação Ambiental e aplicação das leis que regulam tal assunto. Quando não tenho consciência das conseqüências de minhas ações não tenho como agir sobre elas policiando-me; e aqui entra o papel do Poder Público que deve romper a ignorância em nome do bem comum.

Imagem: Ilustrativa 

Getulio Freitas é estudante de Gestão Ambiental pela Universidade Metodista de São Paulo - Extensão Fortaleza.

Nenhum comentário:

::: NOSSOS VÍDEOS

Loading...