Compre Agora

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Procuradoria Geral entra com ação que pode fechar o Orkut no Brasil

A Procuradoria Geral do Estado do Rio de Janeiro entrou com uma ação civil pública contra o Google, citando que a rede social Orkut, a mais popular no Brasil, “teria se tornado palco de condutas ilícitas e criminosas”. A ação, que afirma que dentre os delitos estão “crimes contra a honra, apologia ao crime, pedofilia, falsa identidade, dentre outros”, pode fechar o Orkut no país. As informações são do G1.
O órgão entende que, mesmo não podendo atribuir à empresa os crimes cometidos pelos usuários, o Google é corresponsável a partir do Orkut porque os problemas acontecem “em função de falhas na gestão do sistema”. A Procuradoria afirma que a empresa não possui qualquer mecanismo eficiente de controle do conteúdo, impedindo de verificar a identidade daqueles que acessam o seu serviço.
O Google tem 120 dias para tomar providências que possam impedir os crimes cometidos no Orkut. Na lista de medidas estão manutenção de IPs e de registros de acesso de usuários em comunidades, desenvolvimento de um sistema que identifique perfis, comunidades ou páginas dedicadas à pedofilia e a crimes, inclusive de marcação de brigas entre torcidas de agremiações esportivas rivais, comunicando a existência ou suspeita de existência imediatamente ao Estado. Um sistema com palavras-chave seria criado para facilitar a busca por estes temas.
Em caso de descumprimento das medidas, a Procuradoria requer que o Orkut seja fechado e que uma multa diária de R$ 100 mil seja aplicada contra o Google. A ação apresentada na 10ª Vara de Fazenda Pública do Rio de Janeiro, ainda solicita que seja realizada uma campanha midiática, incluindo jornais, rádio e televisão em horário nobre, com o objetivo de alertar pais e responsáveis sobre os riscos de utilizar a internet e o Orkut.
Versão da empresa
O Google afirma que não foi notificado da existência da ação e, por conta disso, não comenta o assunto. Procurado, a empresa disse que “reafirma seu comprometimento com o respeito à legislação brasileira”.
A companhia também disse que oferece plataformas tecnológicas para que milhões de pessoas possam criar e compartilhar seus próprios conteúdos e que o uso indevido da liberdade destes serviços que desrespeitem as normas de uso dos serviços que estão claramente expressas nos respectivos sites, são passíveis de denúncia pelos usuários. “Quando o conteúdo claramente ferir uma dessas regras, ele será automaticamente removido. Nos casos em que houver dúvida, os pedidos deverão ser avaliados pelo Poder Judiciário”.

Seja nosso repórter! Aconteceu algo na sua rua? Então nos informe: contatos@revistacentral.com.br ou (88) 3412-3125 / 9914-6853 / 9268-4908

Nenhum comentário:

::: NOSSOS VÍDEOS

Loading...