Compre Agora

sábado, 19 de dezembro de 2009

Lula em discurso forte deixa os principais líderes mundiais de cabeça baixa


No mais forte discurso da plenária de líderes no último dia da conferência do clima, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva colocou o Brasil como o país que, para salvar a Conferência da ONU sobre Clima (COP-15) de um naufrágio, aceita ser fiscalizado e até mesmo concorda em colocar recursos em um fundo de onde, na verdade, como país em desenvolvimento, deveria só retirar dinheiro. Falando de improviso, Lula se disse frustrado com os resultados depois de semanas de negociações e cobrou responsabilidade dos mais de 100 líderes presentes em Copenhague.

Aplaudido quatro vezes durante sua fala e longamente ao final - o único chefe de Estado a receber esse tratamento - a estratégia foi clara: 'fizemos tudo e não vamos levar esse fracasso para casa'. "Confesso a todos vocês que estou um pouco frustrado porque há muito tempo discutimos a questão do clima e cada vez mais constatamos que o problema é mais grave do que podíamos imaginar. Pensando em contribuir para a discussão nesta COP o Brasil teve uma posição muito ousada", o presidente iniciou sua fala. Em seguida, listou as metas e as ações a que o País se comprometeu. "Não é uma tarefa fácil, mas foi necessário tomar essas medidas para mostrar ao mundo que, com meias palavras e com barganhas, a gente não encontraria uma solução nesta Conferência de Copenhague."

Pela primeira vez desde o início do encontro, o presidente admitiu que o Brasil poderá colocar dinheiro no fundo contra as mudanças climáticas. Apesar de não falar em valores, foi mais uma tentativa de tirar entraves nas negociações. "Vou dizer, de público, uma coisa que eu não disse ainda no meu país, não disse à minha bancada e não disse ao meu Congresso: se for necessário fazer um sacrifício a mais, o Brasil está disposto a colocar dinheiro também para ajudar os outros países. Estamos dispostos a participar do financiamento se nós nos colocarmos de acordo numa proposta final, aqui neste encontro", afirmou.

A proposta, no entanto, só valeria em caso de um acordo final razoável - coisa que, depois de negociações exaustivas o dia inteiro, terminou sem acontecer. Para colocar seus próprios recursos, avisou o presidente, era preciso algo para assinar que não um documento vazio. "Agora, o que nós não estamos de acordo é que as figuras mais importantes do planeta assinem qualquer documento, para dizer que nós assinamos documento", reclamou. "Eu adoraria sair daqui com o documento mais perfeito do mundo assinado. Mas se não tivemos condições de fazer até agora eu não sei se algum anjo ou algum sábio descerá neste plenário e irá colocar na nossa cabeça a inteligência que nos faltou até agora. Não sei."

Apesar de se dizer "excessivamente otimista" e de "acreditar em Deus e em milagres", Lula já previa que nem um discurso forte nem as concessões do Brasil em aceitar verificações externas e colocar recursos para financiamento mudariam o cenário desenhado até hoje. No dia anterior, em entrevista junto com o presidente Nicolas Sarkozy, dissera temer que a foto dos 120 líderes presentes em Copenhague se transformasse na imagem dos incompetentes que não salvaram o planeta enquanto havia tempo. A foto oficial, que retrataria justamente os responsáveis pela falta de acordo, foi cancelada. A explicação foi que "faltou tempo" aos líderes.

Fonte: Revista Central com informações da (Gazeta do Povo)

Nenhum comentário:

::: NOSSOS VÍDEOS

Loading...