quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Papo Reto: Mói de Carrapicho 1

Por João Vieira Picanço*

"Mói" de carrapicho - Nasci e me criei, nas ruas Pero Coelho e Dom Manoel. Fui criado sem fronteiras. O cinto da velha Madalena me dava correção, mas não rédeas e cabrestos. Eu era bastante popular. E havia na Santos Dumont um garoto magro, alto, dos olhos grandes, de apelido lombriga.


Lombriga era o exemplo de traição, ardil, baldroco, desleal e perverso. Se aproximava, mostrava-se cortês e afável e depois aprontava. Um dia num jogo de bola lombriga bateu em vários garotos e se apossou da bola e parou o jogo. Diante da inércia da molecada eu me rebelei e discuti com o lombriga. Não deu outra. Ele veio com a ira de 10 capirôtos pra cima de mim e nos apinchamos no chão atracados. Adquiri a hidrofobia de 50 cachorros loucos e o pau torou. 

Lombriga estava vencendo o embate e não tive escolha. Usei as armas que tinha a mão. Alcancei um "mói" de carrapicho e abrochei na face e lombo do lombriga. Aproveitei seu descuido ao tentar retirar os carrapichos da pele e me levantei. Quando ele tentou se levantar dei o xeque-mate: um potente chute nos ovos, testículos para os letrados. Passou uma semana com um ovo de ema e um de rolinha.

A partir daí aprendeu a me respeitar. Hoje conversando com amigos de Ibaretama, só escutei lamúrias e desesperanças. Se Lombriga não estivesse vivo eu diria que tinha reencarnado no gestor municipal. 

As atitudes de alguns gestores são idênticas as do lombriga. Os gestores públicos depois de eleitos se revestem de traição, deslealdade e passam fazer o contrario do que prometeram nos palanques. Eu talvez esteja errado: Ibaretama é única cidade no mundo que não necessita de melhoramentos, por ser campeã de pioramento.  

É pioramento na saúde; saúde sem estrutura, medicamentos, quase que dependente da misericórdia divina e de rezadores; pioramento nos transportes escolares; transportes com ônibus do tempo de D. Pedro I, verdadeiras carcaças, outros mais parece velocípede motorizado;  pioramento na merenda escolar; merenda de péssima qualidade; deplorável, problema que parece que o gestor público não está disposto a solucionar. Autorizam empréstimos consignados aos funcionários, desconta e não repassa ao banco, negativando o nome dos funcionários no SPC; baixa os salários dos funcionários que não são puxa-sacos; não faz manutenção na rede pública de iluminação; chama os professores de marajás, desestimulando o profissional de educação; escolas de péssima qualidade;  e por último a falta de emprego. 

O único emprego no momento é de lamento e recordação de como o munícipio já foi bom em anos passados. Triste, mas reais os depoimentos. Sinto-me como Jesus na passagem da bíblia com a mulher com hemorragia: - Quem me tocou? Sinto uma energia saindo de mim. Hoje também tocado e ouvindo o sofrimento desse povo senti minha energia se esvair e se encher de comoção. Se aquela perdia sangue hoje meus amigos perdem a esperança. Aí só me resta lamentar  por ainda ter muita lombriga merecendo um "mói" de carrapicho.

*João Vieira Picanço é Advogado e milita há 20 anos na vida política de Ibaretama, Colunista semanal do Ibaretamanet.com, expressando o livre pensamento. 

Um comentário:

Vinícius disse...

Boa comparação do Lombriga com os políticos da atualidade. Vamos torcer para a vida melhorar!